sábado, 19 de setembro de 2009

último segredo

Prendeu a respiração antes de encafuar o último segredo,
Reservado nos murmúrios mais acanhados de uma rara cumplicidade.
Naquele momento, apoderava-se-lhe uma sensibilidade vasqueira;
as têmporas palpitavam com mais força,
a lhe entregar um grave enjôo.
Ergueu-se a derradeira poeira.
Suspirou, desfazendo-se daquele ar viciado de incerteza
E emborcou-se numa pseudo-segurança,
Entregue à ordem do mais particular poder
Até que o Sol foi mais forte
E desvelou o meandro das possibilidades,
Tornando a adversidade uma leda impressão.
Tudo muito Claro. Claramente,
Como assim passava a proceder
Em seu mais íntimo realengo.


[j. guedes]

7 comentários:

Anike Lamoso disse...

deliciosa massagem literária..

Katia Spagnol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Lucia disse...

Oi,

Muito curioso, o seu estado poético: vi nesse poema o que também está presente no poema "reveses": uma mudança aliviante com a chegada do "Sol". Só que em "último segredo" essa mudança aparece mais para o lado mais interno, pessoal, subjetivo. O sol é um símbolo que conota vigor, força, vitalidade...

joao p. guedes disse...

Oi, Ana,

A luz psicológica que irradia de seu comentário pode devassar meus segredos... (risos)

Obrigado.

Mauro disse...

A respiração é o último segredo de tudo. Que viagem de fuder foi essa, velho?

Ana Lucia disse...

Ah, então é verdade! Sua palavras são puras...

Bjo.

° flor de canela disse...

"A poeira é só a vontade que o chão tem de voar..."


passeios noturnos, pelo planeta terra.